EDIÇÕES CULTURAIS

 

 

 

Início

Fale conosco
Contact us


Catálogo

 



 

 

 

NAVIOS E PORTOS DO BRASIL
Nos cartões-postais e Álbuns de Lembranças



Formato fechado 23x32cm. Capa dura com plastificação. 220 páginas a 4 cores, 
papel couché 170g., 520 imagens. R$ 138,00



APRESENTAÇÃO
NAVIOS E PORTOS DO BRASIL

Num momento em que o transporte aéreo nacional entrou em colapso e cada vez mais presencia-se a chegada de grandes navios de cruzeiro ao País, NAVIOS E PORTOS DO BRASIL, editada através da Lei de Incentivo à Cultura, com o patrocínio da Companhia Vale do Rio Doce, é uma obra de atualidade, a mais completa em termos históricos até agora publicada sobre o assunto, com um acervo de mais de quinhentas imagens, retratando os navios de todas as bandeiras em que vieram os antepassados de milhões de brasileiros. Um livro que rememora os trágicos afundamentos de dezenas de navios de passageiros nacionais por parte de submarinos alemães durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial, determinando a entrada do Brasil naqueles conflitos, e as grandes catástrofes acontecidas em águas nacionais, como os naufrágios dos navios Príncipe de Asturias e Principessa Mafalda, com centenas de vítimas. Mas, um livro que resgata também o glamour das viagens transatlânticas, com suas noites de gala e a vida ociosa a bordo durante as longas travessias...

NAVIOS E PORTOS DO BRASIL é um livro de caráter iconográfico que resgata a história da navegação fluvial, costeira e oceânica no Brasil, num período que vai de aproximadamente 1900 até a época de ouro da navegação transatlântica, que finda na década de 1960, num vasto trabalho de resgate e recuperação de um acervo visual em vias de desaparecimento, com imagens contidas em cartões-postais e álbuns de lembranças, as quais retratam aspectos de interesse histórico e não foram até agora devidamente preservadas nem valorizadas na sua surpreendente dimensão humana.

A obra, editada através da Lei de Incentivo à Cultura, com o patrocínio da Companhia Vale do Rio Doce, contém capítulos sobre a história da criação da frota mercante nacional e percorre, como faria um turista daquela época, as dezenas de rotas que serviam as vias fluviais e costeiras, com embarcações que marcaram época, através de companhias como o Lloyd Brasileiro, a Companhia Nacional de Navegação Costeira e outras, que serviam os portos marítimos do país, além de vias fluviais como os rios Amazonas, São Francisco e Paraná.

Um capítulo especial aborda a Marinha do Brasil, com imagens de famosos navios da esquadra nacional. Outros importantes capítulos são dedicados à história dos principais portos nacionais, como os de Manaus, Belém, Recife, Salvador, Vitória, Rio de Janeiro, Santos, Paranaguá, São Francisco, Itajaí, Florianópolis, Rio Grande, Porto Alegre e Corumbá, com cenas dos cais e navios atracados, da azáfama intensa dos carregadores, do embarque e desembarque de passageiros e da chegada de imigrantes.

Também é destacada a navegação oceânica, que na época mantinha o Brasil em contato com o mundo, através de transatlânticos brasileiros que faziam a linha regular para a Europa e através dos navios de importantes companhias internacionais que serviam portos brasileiros, como as alemãs Hamburg-Amerika Linie, Norddeutscher Lloyd e Hamburg-Südamerikanische, com os lendários navios Cap Polonio e Cap Arcona. A Mala Real Inglesa, com seus navios Alcantara, Almanzora, Araguaya e Amazon. Companhias italianas como o Lloyd Sabaudo e a Navigazione Generale Italiana, com seus transatlânticos Giulio Cesare e Augustus. As francesas Compagnie de Navigation Sud-Atlantique, Compagnie de Messageries Maritimes e Chargeurs Réunis, com seus navios Ville de Rio de Janeiro e Ville de Pernambuco. A portuguesa Companhia Colonial de Navegação, o Lloyd Real Holandês e a japonesa Osaka Shosen Kaisha.

Outros capítulos são dedicados aos passageiros que utilizavam aquele meio de transporte, turistas e imigrantes de diversas nacionalidades, assim, como ao glamour das viagens transatlânticas, em imensos navios, verdadeiras cidades flutuantes, com milhares de passageiros e tripulantes, retratando cenas da vida a bordo, a rotina em alto-mar, os camarotes para as diversas classes, a elegância dos jantares a bordo, os suntuosos salões de baile, os jogos no convés e as típicas brincadeiras.

Entre muitas outras, a obra contém cenas dos cais apinhados de pessoas que iam despedir ou saudar os viajantes, da pompa com que eram recebidas as viagens inaugurais dos grandes navios, das verdadeiras formigas humanas que eram os carregadores de café, formando filas com as sacas nas costas, e da saga do navio Kasato Maru que trouxe ao país a primeira leva de imigrantes japoneses.

Também são abordadas as grandes catástrofes marítimas, com naufrágios que comoveram a opinião pública nacional, tais como a explosão, em 1906, do encouraçado Aquidabã da Marinha do Brasil; o afundamento no litoral da Ilha de São Sebastião, em 1916, do transatlântico Príncipe de Asturias, enquanto os passageiros celebravam o Carnaval, com um saldo de 450 vítimas (o maior desastre ocorrido em águas brasileiras), e o afundamento de 21 navios mercantes e de passageiros nacionais por submarinos alemães e italianos durante a Segunda Guerra Mundial, sendo a maior tragédia a do Baependi, ao norte de Salvador, de cujos 233 passageiros e tripulantes, 215 pereceram, precipitando a entrada do Brasil no conflito.

Enfim, uma obra de excelente qualidade gráfica, rica em conteúdo, ilustrada por fotografias até agora inéditas ou desconhecidas, que poderá tornar-se uma importante fonte de consulta já que é a mais completa em termos iconográficos até agora realizada sobre os navios e portos do Brasil, perpetuando preciosas imagens para uso e contemplação das gerações futuras.

João Emilio Gerodetti e Carlos Cornejo

O DESFILE DE PALÁCIOS FLUTUANTES PELO ESTUÁRIO

O lançamento desta obra de João Emilio Gerodetti e Carlos Cornejo representa um desafio para quem se empenhar em superá-la, pois tem conteúdo difícil de ser reunido. Outro ponto favorável é a objetividade, aliada à leveza dos textos. Mas tarefa mais hercúlea ainda será ultrapassar o farto recheio de ilustrações de cartões-postais e fotografias, clicadas por simples ou renomados fotógrafos do século passado, muitas inéditas, que recuperam épocas românticas para o olhar da modernidade.

Este livro se propõe a preservar a história dos nossos principais portos e dos navios de várias bandeiras, pertencentes a célebres empresas de navegação, como o Lloyd Brasileiro, a Companhia Nacional de Navegação Costeira, a alemã Hamburg-Süd, a francesa Chargeurs Réunis, a Italia di Navigazione, a portuguesa Companhia Colonial de Navegação, a espanhola Ybarra y Cía., entre outras. Os navios da Marinha do Brasil também são contemplados, com imagens e memórias de célebres vasos bélicos, cruzadores, contratorpedeiros, submarinos e navios-escola.

Sempre fui intenso admirador de transatlânticos. Lembro que o primeiro que vi entrar em Santos, lá pelos idos de 1950, foi o britânico Andes, da Royal Mail Line, mais conhecida no Brasil como Mala Real Inglesa. Nas primeiras sete décadas do século XX, o Porto de Santos apresentava intenso movimento de passageiros, tão intenso como hoje têm os aeroportos. Em alguns dias, registrava-se a escala de até cinco transatlânticos. A entrada de um navio de passageiros era um verdadeiro espetáculo. Eram muitas pessoas que chegavam - e milhares que iam esperá-las.

No porto, havia risos e lágrimas, gritos alvissareiros e silêncios comovidos, acenos de lenços e de mãos, quando um navio de passageiros atracava no cais, numa época em que a Cidade era a porta de entrada e saída dos viajantes - passageiros das mais variadas nacionalidades, imigrantes, artistas, políticos, empresários e dignatários da Igreja. Para os santistas, dia de transatlântico no porto era de alegria - e sempre houve um lugar muito especial para admirar o desfile dos palácios flutuantes pelo estuário. Era a passarela natural da Ponta da Praia, com uma calçada amurada que era e é o mirante onde apaixonados ou apenas curiosos admiravam e ainda admiram o entra-e-sai dos navios.

Foi da Ponta da Praia - local inesquecível e inefável - que registrei na retina, para toda a eternidade, os navios de passageiros, e comecei a admirá-los cada vez mais e mais. Todas as vezes que um transatlântico zarpava e eu estava na Ponta da Praia, contemplava a sua silhueta em movimento, até desaparecer no horizonte do mar...

A partir deste livro, quem no Brasil escrever ou comentar sobre navios e portos do passado, terá que conferir o que João Emilio Gerodetti e Carlos Cornejo deixam registrado nesta maravilhosa obra.

Prefácio de Laire José Giraud

A VIA DO ATLÂNTICO

Este prefácio é sobretudo um prelúdio para o leitor, que muito em breve e através deste livro embarcará numa extraordinária viagem no tempo e no espaço, em texto e imagem.

Para aqueles que nunca tiveram a oportunidade de efetuar uma travessia oceânica será uma experiência metafísica, através da imaginação. Para outros, que já navegaram em alto-mar, será o retorno de sensações inesquecíveis. Para todos aqueles cujos ascendentes ou familiares atravessaram o oceano com destino aos países de imigração, será uma fonte de informação e de história.

O leitor viajará em centenas de navios e tocará portos nunca antes visitados, dobrará cabos e promontórios, avistará torres e luzes de faróis, verá o azul-cobalto das águas profundas e peixes-voadores atravessando as proas, avistará auroras e crepúsculos que só no horizonte do mar são tão espetaculares. Viverá no bojo dos transatlânticos o luxo e a riqueza da primeira classe, a modéstia e simplicidade das classes inferiores, o labor dos marinheiros e o ócio dos passageiros. Sentirá as alegrias e as tristezas de partidas e chegadas, agitará os lenços brancos nas despedidas e ouvirá os vibrantes apitos que marcam o começo de uma viagem sem-fim. O primeiro contato que tive com "os palácios brancos flutuantes" aconteceu em setembro de 1949, quando o Conte Grande, restaurado e reformado após a guerra, escalou em Santos com destino à Europa. A partir deste primeiro momento "mágico", outras visitas a bordo aconteceram e assim, pouco a pouco, fiquei inoculado com o fascínio por transatlânticos, portos e navios em geral.

Não posso deixar de aceitar e de tecer elogios a esta nova iniciativa dos autores já que me sinto bem capacitado para afirmar que, até os dias de hoje, nada de similar foi publicado em nível nacional ou mesmo internacional. A publicação deste livro excepcional representa um marco importante na preservação da memória coletiva e uma herança de grande valor para a cultura brasileira, visto que a história do País é essencialmente uma história marítimo-fluvial. Desde os remotos tempos das grandes navegações e descoberta até meados do século XX, o Brasil colonial ou independente só existiu nas faixas costeiras marítimas ou fluviais. Os contatos entre cidades e povoados ao longo do vasto litoral nacional só eram possíveis através da navegação marítima e a lenta penetração para o interior das terras brasilienses aconteceu através dos caminhos fluviais. Do Oceano Atlântico vieram os descobridores, os exploradores, os colonizadores, os aventureiros, os invasores, os nobres portugueses da Corte Real, os escravos da África, os imigrantes da Europa e da Ásia, as máquinas desbravadoras, as religiões e os cultos, a carga cultural e civilizadora com todos os seus prismas positivos e negativos.

Os portais de entrada desse gigantesco fluxo foram os portos, os quais floresceram por dezenas do norte ao sul da imensa costa brasileira.

Prefácio de José Carlos Rossini